Passei mal e fui ao médico, disse a ele sou miastênica, ele respondeu: O QUE É ISSO?


segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Miastenia Opção de Tratamento - Troca de Plasma


A Troca de Plasma é reconhecida como uma das opções de tratamento para pacientes que sofreram um agravamento de sua miastenia.
Estudos de pesquisa recentes têm mostrado que a troca de plasma é tão eficaz quanto a imunoglobulina intravenosa. A troca de plasma, é um tratamento a curto prazo com benefícios duradouros uma média de 5-10 semanas. Medicação adicional pode ser usado para suprimir o sistema imune, por exemplo, prednisolona.

O que é e como e como funciona
Na Miastenia Gravis (MG) Os anticorpos atacam os receptores na junção neuromuscular ou a proteína muscular responsável pelo agrupamento / encontro dos receptores.
Trocas plasmáticas funciona para remover os anticorpos presentes no plasma.
Troca de plasma podem ser usados:
- Para gerir uma recaída súbita
- Para melhorar a fraqueza muscular antes de cirurgia
- Para auxiliar os tratamentos atuais, se o controle de MG é pobre
As melhorias podem ser vistas depois de uma ou duas traças e a melhoria constante pode ser vista por várias semanas. Alguns pacientes podem precisar de trocas regulares, como uma manutenção.

Troca de plasma é realizada por enfermeiros especialmente treinados, utilizando equipamento especializado. O tempo gasto com a troca depende do seu peso, a altura e a quantidade a ser trocada e, geralmente, não leva mais de 4 horas.
Troca de plasma pode ser em dias alternados ou diariamente, durante 5 trocas, que depende do centro de tratamento. Um tubo de plástico é colocado em uma veia grande, no braço ou na virilha. O sangue é circulado através de um aparelho chamado separador de célula. As células de sangue e plasma são separadas e as células são re-circulada com um substituto do plasma. Os pacientes em esteroides e outras terapias de imunossupressão devem ter sua medicação após sua troca para evitar lavá-lo para fora.

Quais são os efeitos secundários e os riscos associados com a troca de plasma?

Nenhum procedimento é sem risco, porém estudos recentes sugerem que a troca de plasma é um procedimento seguro. O especialista irá repassar por todos os riscos e efeitos colaterais potenciais com o paciente antes de começar, solicitando o seu consentimento.

Alguns riscos incluem: infecção, sangramento após a remoção de linha. Pode não ser adequada para pessoas que usam medicamentos para diluir o sangue ou pessoas com distúrbios de coagulação. Quem toma vacina contra a gripe sazonal deve se certificar que isso seja feito bem antes ou em uma data posterior.
Como troca de plasma pode causar uma mudança no volume de sangue pode haver alguns doentes que apresentaram pressão arterial baixa, tonturas, frieza nas mãos e pés.
Não é incomum a se sentir cansado após troca de plasma.


Troca de plasma pode auxiliar na rápida melhoria dos sintomas em pacientes com recaída significativa ou na apresentação inicial. Se estiver disponível no seu hospital, pode ser uma das opções de tratamento a ser considerada por seu neurologista. 

Por: Natalie James, Enfermeira Especialista em MG

MG Association - http://www.mga-charity.ie/


terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Myasthenia Gravis - Beauty Does Lie


By Courtney G. Smith


 


Imagine being at the hottest, wildest, most exciting party of your life. You’re on the dance floor getting your groove on and then all of a sudden the music stops abruptly. The DJ gets on the microphone to announce that you and only you must leave the building. And you are never to return to enjoy such an exhilarating moment.
That is exactly how I felt in April 2001 when I was diagnosed with the autoimmune disease Myasthenia Gravis (MG), which causes extreme muscle weakness. My other symptoms included slurred speech, difficulty swallowing, and double vision. Sometimes my hands were so weak I couldn’t button my shirt; my mom would literally have to dress me. There are approximately 70,000 affected by the condition in the United States. As a rare disease, it is frequently under-diagnosed.
You hear people say that during certain moments time seems to stop. I always thought this was such a cliché, but when the doctor told me I had MG, that there was no cure, and that I would have to be on medication for the rest of my life, time literally stood still. I could not process what she had just told me.
I was a few weeks away from heading to New Orleans to celebrate my 23rdbirthday. Once the moment of revelation was over, I shed a few tears, took the prescription my doctor had written for the meds I’d supposedly be on for the rest of my life, grabbed my purse, and smiled as I left the exam room.
I remember she asked if I had any questions. I just looked at her and replied that I was on my way to party in New Orleans for my birthday. She told me not to party too hard to which I laughed. Little did I know that this laughter would come back to surface as ultimately the theme of my life.
I’ve taken many cocktails to get through my diagnosis with MG. My first cocktail came in the form of pills. I was initially placed on two different medications: prednisone, a steroid, and mestinon, which stimulates or mimicks the parasympathetic nervous system (PSNS). Initially, the prednisone helped tremendously with the double vision, but it never completely got rid of the weakness in my face and hands.
My doctor tried to put me on a third medication after an experimental surgery to force the MG into remission was unsuccessful. The surgery is called a thymectomy. Since I’m pretty sure this word is foreign to most, as it should be, I’ll explain: A thymectomy is when a person’s thymus gland is surgically removed. Now for those who slept through biology, present company included, the thymus gland sits right behind the sternum which is the bone that sits in the middle of your chest.
In order for my thymus gland to be removed, my sternum had to be cut open. My surgery was scheduled for September 11, 2001. I went into surgery thinking that the one plane crash was just a horrifying, tragic accident. I came out of surgery to learn that a second plane had hit the World Trade Center and that the United States was under attack.
Years later I would share the date of my surgery with someone who told me I never should have had surgery on that day because there was just too much bad karma in the atmosphere. I honestly believed that, because after surgery my symptoms did not get better. They actually got worse. I also discovered that I could only mentally handle taking two medications at the same time.
When my doctor tried to put me on a third, I thought I was okay with the idea until I took the pill. I began crying and realized at that moment that my cocktail of medications could only consist of two at any given time. This discovery led me to my next cocktail.
One Friday morning in 2003 I opened up the phone book, yes the phone book, and began looking for an acupuncturist in Chicago. I didn’t know much about acupuncture and knew of no one who had actually tried it, but what I did have was a gut feeling that trying an alternative therapy would yield results that had previously eluded me.
I told myself, whichever doctor could see me that same day would be the doctor I’d go to. So at 5 p.m. that evening I went to see Dr. Yong Gao Wang. I explained to him about MG and what my experience had been. He nodded his head and asked to see my tongue. Then he checked my pulse and said he could treat me. Dr. Wang sent me home with a cocktail of TCM (Traditional Chinese Medicine) herbs.
The little black balls were so foreign to me, but if they helped the MG then I was willing to take them as instructed. One of the formulas, called Gui Pi Wan, works to build the blood and Qi of the body from a TCM perspective. Three months later I began to see drastic improvements and felt just like I did before having symptoms of MG. Dr. Wang called his cocktail of herbs my homework. My homework had me feeling like my old self again after two years of having symptoms in addition to the awful fatigue I experienced after surgery.
But once I felt better I stopped continuing treatments. I figured the $90 dollars I shelled out each week to see him could be better spent shopping. Hey what can I say, I was 25. But I wasn’t tooyoung and dumb, though. I figured out that I could get more for my money if I began seeing a holistic doctor.
Someone had told me about a Dr. Jifunza Wright who was both an MD and a holistic doctor. The main reason I wanted to see her was to lose the 20 lbs I had gained from the prednisone. Most of my life my weight teetered between 105 and 110. So gaining 20 lbs wasn’t a big deal, but gaining 20 prednisone pounds was a huge deal. That weight doesn’t feel right no matter where it lands. It was all in my thighs and butt which was great, but to me it felt like water weight, which was just uncomfortable.
Dr. Wright put me on a diet which really wasn’t a diet but more of a lifestyle change, and gave me a cocktail of supplements to take. Her philosophy was that if a food could not be grown or picked, then it should not be eaten.
My old diet literally consisted of everything. Because I was petite I never thought about food until I was put on prednisone. I ate ribs, chicken, beef, and all sorts of sweets. Since 2004 the only meat I eat is fish. I rarely consume dairy and I make sure I drink at least 64 ounces of alkaline water a day. Sometimes I do cheat with the sweets because dessert is my favorite part of a meal.
Dr. Wright placed me on calcium, magnesium, and vitamin D since the prednisone causes bone loss. I still consume all three daily. I also take powdered chlorella, liquid chlorophyll, blackstrap molasses and a natural iron supplement daily for anemia.
I lost the weight in three months and felt great. Since I lost the weight I figured I had gained all the knowledge I needed from Dr. Wright and could once again go back to enjoying so much of my life.
In September 2006 at age 28, I got the chance to share cocktails with my friends to toast to the premiere of my award-winning documentary Beauty Does Lie: The Untold Stories of Autoimmune Diseases.
I produced Beauty Does Lie to raise the awareness of autoimmune diseases and to give women with autoimmune diseases a voice. So often people with autoimmune diseases are undiagnosed or misdiagnosed because their outer appearances look completely healthy.
When I was in the hospital with a blood clot in my neck and a needle in my arm, receiving three blood transfusions, I can remember nurses telling me how good I looked for my age. There I was, unsure of whether or not I was going to hemorrhage to death, but still receiving wonderful compliments about my looks.
Producing Beauty Does Lie allowed me to share a few more celebration cocktails with my friends. In 2007 it was picked up for distribution and the following year it received a National Health Information Award. Not too bad for a first-time producer who made a film from the heart.
After producing Beauty Does Lie my life and mind opened up to so many things. I began receiving massage therapy and Reiki. My Reiki Master Angelana Celeste is now one of my friends, whose house I bike over to share a few glasses of wine. After years of spending time away from Dr. Wang I was recently reunited with him after experiencing double vision (one of the wicked symptoms of MG) toward the end of a stressful job I never should have taken to begin with.
Today, I am now a spokesperson for the American Autoimmune Related Diseases Association (AARDA)! Who would have thought 12 years ago when time stopped for that one dreadful moment, that I’d now be a spokesperson for a national organization?
The various cocktails I’ve had in life have sometimes brought me pain, but the joyful cocktails have ultimately triumphed over the sorrow. And I am happy to report that I was let back into that wonderful, magnificent party I thought MG had permanently kept me from. Salud!



Courtney G. Smith is the award-winning producer of the documentary Beauty Does Lie: The Untold Stories of Autoimmune Diseases. She is also a spokesperson for the American Autoimmune Related Diseases Association (AARDA). Courtney is extremely proud of her accomplishments, but ultimately she aspires to be a beach anthropologist, aka beach bum. Check out her website.

Submit your story or essay to Buzzworthy Blogs.







quinta-feira, 17 de outubro de 2013

OS BENEFÍCIOS DO CHÁ VERDE

Estes são alguns dos muitos benefícios que uma xícara de chá por dia pode proporcionar. O único efeito colateral negativo relatado é a insônia devido ao fato de que ele contém cafeína. Portanto evite tomar este chá à noite. No entanto, o chá verde contém menos cafeína do que o café. 

*PERDA DE PESO chá verde aumenta o metabolismo. O polifenóis encontrados no chá verde trabalha para intensificar os níveis de oxidação de gordura e a taxa na qual o organismo transforma alimentos em calorias.
*DIABETES chá verde, aparentemente, ajuda a regular os níveis de glicose retardando o aumento do açúcar no sangue depois de comer. Isso pode evitar altos picos de insulina e armazenamento de gordura resultante.
*DOENÇAS DO CORAÇÃO cientistas pensam, o chá verde funciona no revestimento dos vasos sanguíneos, ajudando a mantê-los ficar relaxado e mais capaz de resistir a mudanças na pressão arterial. Pode também proteger contra a formação de coágulos, que são a principal causa de ataques cardíacos.
*CANCRO ESOFÁGICO ele pode reduzir o risco de cancro esofágico, mas também é amplamente pensado para matar as células cancerosas em geral, sem danificar o tecido saudável em redor delas.
*COLESTEROL chá verde reduz o colesterol ruim no sangue e melhora a taxa de colesterol bom colesterol ruim.
*ALZHEIMER E PARKINSON Diz-se para retardar a deterioração causada pela doença de Alzheimer e Parkinson. Estudos realizados em ratos mostraram que o chá verde proteger as células do cérebro de morrer e restaurou as células cerebrais danificadas.
*CÁRIE DENTÁRIA Estudos sugerem que o antioxidante químico “catequina” no chá pode destruir bactérias e vírus que causam infecções de garganta, cárie dentária e outras doenças dentárias
*PRESSÃO ARTERIAL consumo regular de chá verde é pensado para reduzir o risco de pressão arterial elevada.
*DEPRESSÃO teanina é um aminoácido encontrado naturalmente em folhas de chá. É esta substância que é pensado para proporcionar um efeito relaxante e tranquilizante e ser um grande benefício para os bebedores de chá.
*ANTI-VIRAISE ANTI-BACTERIANA catequinas do chá são fortes agentes antibacterianos e antivirais que os tornam eficazes para tratar de tudo, desde a gripe ao câncer. Em alguns estudos, o chá verde tenha sido mostrado para inibir a propagação de muitas doenças.



Como preparar: O preparo é algo importante para você preservar os princípios ativos da erva. 

Coloque a água para esquentar e assim que surgirem as primeiras bolhas de ar (antes de ferver para valer), apague o fogo. Acrescente a erva  e abafe por 2 ou 3 minutos (o ideal são 2 colheres de sopa para 1 litro de água). Depois é só coar e tomar. 
Para deixar o chá-verde mais gostoso:

1. Não exagere na dose da erva. Só depois que você se acostumar com o sabor, acrescente mais uma colher para a mesma quantidade de água. 

2. Preparar o chá-verde com uma outra erva, também melhora o sabor. Pode ser erva-cidreira, hortelã, erva-doce. 

3. O melhor é não adicionar leite ou açúcar no chá, pois pode fazer com que seus benefícios sejam reduzidos. Se quiser adoçar, adoce com mel ou açúcar mascavo porque são naturais.  
4. É sempre bom consultar seu médico antes de beber o chá.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Estudo faz ligações do autismo a mães com doença autoimune.


Estudos têm demonstrado que as mulheres com uma doença autoimune também têm um risco aumentado de ter uma criança com autismo.

Cerca de um em cada dez mulheres que têm uma criança com autismo têm moléculas do sistema imunológico em sua corrente sanguínea, que reagem com as proteínas no cérebro, de acordo com um estudo publicado em 20 de agosto, em Molecular Psychiatry. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23958959

Vários grupos de pesquisa descobriram essas moléculas do sistema imunológico, chamadas anticorpos, em mães de crianças com autismo, e demonstraram que a exposição pré-natal aos anticorpos altera o comportamento social.

No novo estudo, que inclui mais de 2.700 mães de crianças com autismo, é a maior pesquisa ainda sobre a prevalência destes anticorpos.

"É um tamanho de amostra muito grande", diz a líder do estudo Betty Diamond, chefe do Centro para doenças auto-imunes e músculo-esquelético no Instituto Feinstein para Pesquisa Médica, em Long Island, Nova York. A escala dá uma impressão mais clara da prevalência destes anticorpos, diz ela.
Anticorpos ajudam o sistema imunitário do corpo a reconhecer e combater micro-organismos causadores de doenças, tais como bactérias e vírus, mas, por vezes, o corpo erradamente produz anticorpos para as suas próprias proteínas. Em algumas pessoas, o que resulta em doenças autoimunes tais como artrite reumatoide, miastenia e lúpus, em que o corpo ataca os seus próprios tecidos.
Pesquisadores dizem esses anticorpos não prejudicam o cérebro das mulheres que as produzem, mas pode afetar o feto e, talvez, provocar o autismo.

Numa série separada de experiências Diamond verificou que os anticorpos que causam a lesão renal em pacientes com lúpus também causa disfunção cognitiva em ratos expostos aos anticorpos no útero.

A equipe de Diamond descobriu que as mulheres que têm anticorpos ligados ao autismo são mais propensas a ter outros marcadores de autoimunidade em comparação com aquelas que não possuem estes anticorpos.

"Isso une o dado epidemiológico que as mulheres que têm a doença auto-imune são mais propensos a ter filhos com autismo, com a ideia de que há, na verdade anticorpos contra o cérebro do feto em seu soro", diz Paul Patterson, professor de biologia do Instituto de Califórnia tecnologia, que não estava envolvido no trabalho. 

Um relatório mostra, por exemplo, que as mulheres grávidas, cujos bebês mais tarde desenvolveram autismo tendem a levar anticorpos raros no sangue.

Não se sabe muito sobre os mecanismos biológicos que determinam quando, como ou por que as moléculas do sistema imunológico afetam o cérebro fetal.

"Obviamente, as alterações imunológicas estão lá e são proeminentes. Nós apenas temos que descobrir o que eles estão fazendo", diz Patterson.





MIASTENIA - Onde se tratar?

,

Hospital das Clínicas 


Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP - HCFMUSP é considerado Centro de Referência Nacional.
O acompanhamento de doenças neuromusculares está localizado no 6º andar do Prédio nos Ambulatórios, na Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 255 – Cerqueira César - CEP 05403-001 - São Paulo - SP, próximo à Estação Clínicas do Metrô - Linha Verde. Tel: (0xx11) 3069-6000

Hospital São Paulo


O Ambulatório Neuromuscular da Unifesp (Hospital São Paulo), é considerado Centro de Referência Nacional para investigação e acompanhamento de doenças neuromusculares.
Está localizado na Rua Estado de Israel, 899 - Vila Mariana - São Paulo - SP, telefone: (11) 5571-3324. Observe os dias de atendimento de acordo com a sua necessidade.

Marcação da primeira consulta:
Encaminhamento médico de qualquer serviço de saúde público ou privado (SUS, convênio, particular)
Cartão Nacional de Saúde (CNS) ou exame que comprove a doença
Horário de atendimento: das 9 às 15 horas, às segundas, quartas e sextas-feiras, pessoalmente ou pelo telefone: (11) 5571-3324


quinta-feira, 27 de junho de 2013

Mestinon pelo SUS

O direito de receber o Mestinon (Brometo de Piridostigmina) pelo SUS é válido para todo o Brasil.

Algumas pessoas estão encontrando dificuldade para receber o Mestinon pelo SUS nas Farmácias de Componentes Especializados (FME) em São Paulo.
Se você não é da capital, ou outro Estado, ligue para disque saúde 136.

Se você encontrar alguma dificuldade, entre em contato com a ABRAMI via e-mail contato@abrami.org.br ou telefone (11) 2769-5059, informando nome, farmácia do SUS onde que não conseguiu receber o medicamento, data e nome do funcionário que o atendeu.

A ABRAMI, lutando pelos direitos de todos os miastênicos, conseguiu, em acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, centralizar a disponibilização do medicamento em duas unidades na Capital:

Maria Zélia
Rua Jequitinhonha, 360 - Belenzinho - Setor 7 - CEP 03021-040 - São Paulo - no AME Maria Zélia
Telefone: (11) 3583-1843

Várzea do Carmo
Rua Leopoldo Miguez, 327 - Cambuci - Portão 6 - CEP 01518-020 - São Paulo - no NGA Várzea do Carmo
Telefone: (11) 3555-1155

Consulte na íntegra o Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas, conforme Portaria nº 229 de 10/05/2010, retificada em 27/08/2010, clicando aqui.


Se ninguém informa onde há problemas de disponibilidade de medicamento, deduz-se que todos os direitos estão sendo respeitados. Faça valer seus direitos!

sexta-feira, 24 de maio de 2013

MIASTENIA GRAVIS E GRAVIDEZ



A gravidez numa paciente miastênica constitui uma situação de risco, mas pode ser considerada, entretanto todos os cuidados inerentes a esta situação devem ser respeitados. A gestação deve ser acompanhada durante toda sua duração e, o tipo de parto avaliado para cada paciente individualmente.

É difícil precisar a influência da gravidez nas pacientes miastênicas, podendo ocorrer agravamento, melhoria ou mesmo ausência de sintomas.

O risco de mortalidade materna é maior no primeiro ano e mínimo após 7 anos de evolução da doença. A terapêutica convencional da grávida com M.G. inclui os inibidores da acetilcolinesterase e os imunossupressores como a prednisona.

A plasmaferese tem sido usada com sucesso, no tratamento da crise miastênica e na diminuição dos efeitos da doença materna no desenvolvimento fetal. O verdadeiro problema durante a gravidez é como estabilizar a doença, as três principais complicações: a crise miastênica, a crise colinérgica precipitada pelo excesso de medicação anticolinesterase e a crise não reativa consequente ao desenvolvimento progressivo de resistência ao tratamento anticolinesterase.

Durante o Trabalho de Parto mantêm-se os fármacos no controlo doença algumas  vezes é necessário alterar administração de via oral para injeções.
A indução do trabalho de parto poderá ser considerada quando estiverem reunidas as melhores condições hospitalares para o parto (neurologista, neonatologista, incubadora e ventiladores disponíveis).
Recomenda-se a anestesia regional para o parto. A procaína e fármacos similares devem ser usados com precaução.

Após o parto deve ser retomada a medicação oral e períodos de repouso são essenciais. Também qualquer situação de stress como infecções do trato urinário ou respiratórias devem ser imediatamente diagnosticadas e tratadas.

A amamentação está geralmente contra-indicada nas formas moderadas a graves de M.G. pelo perigo potencial de transferência para o recém nascidos. Não só dos anticorpos anti--receptores de acetilcolina, como também dos fármacos anticolinesterase tomados pela mãe.
Miastenia Neonatal — Distinguem-se duas formas de miastenia neonatal. A mais comum é a adquirida; trata-se de uma miastenia neonatal transitória dos recém nascidos de pacientes miastênicas. A criança pode nascer com fraqueza transitória, a qual dura no máximo 2 semanas com recuperação completa. A Miastenia Gravis neonatal é uma desordem transitória, que pode afetar 15% das crianças nascidas de mães com M.G.

A miastenia juvenil é a forma mais rara de miastenia congênita, ocorrendo em filhos de mulheres não miastênicas; não se manifesta geralmente antes dos dois anos de idade. Outras formas raras de sequelas congênitas sugeridas são a hipoplasia pulmonar bem como várias deformações ósseas que surgem raramente nestas crianças.

Durante o parto, a mulher pode precisar de ajuda para respirar. Devido ao fato de os anticorpos que provocam esta doença atravessarem a placenta, 20 % dos filhos destas mães têm miastenia grave ao nascer.


sábado, 27 de abril de 2013

O simples cortar de um bife


Acordei com dor no corpo, mas era apenas mais um dia como muitos. 
Fui visitar minha sogra e durante o bate papo na cozinha comecei a sentir uma dor na região da costela que subia até o peito. Depois de alguns minutos sentada comecei a sentir que minha mão direita não me obedecia mais, tomei um analgésico e pedi deitei um pouco.

Depois de alguns minutos deitada comecei a sentir uma grande falta de ar e a dor nas costelas aumentou, levantei e sentei na varanda até a respiração melhorar. Voltei para cozinha, todos estava almoçando minha sogra sugeriu que eu fizesse o mesmo, eu  não estava com fome mas achei que poderia ser pior ficar sem comer. Meu filho colocou meu prato e eu comecei a comer, até e chegar o momento de cortar o bife. Eu simplesmente não consegui, não tinha força na mão o suficiente para cortar um simples bife, meu filho vendo minha dificuldade começou a cortar o bife para mim, foi quando eu percebi que  tinha chegado ao ponto de ter dificuldade de me alimentar sozinha, ao ponto do meu filho adolescente ter que me ajudar, foi impossível não chorar, levantei na hora e fui para banheiro, por que eu não queria ter uma crise de choro na frente dos outros.

Depois que consegui parar de chorar lavei o rosto e voltei para mesa, meu marido puxou conversa e começou a me falar de alguns aplicativos do celular, até que ele me pediu para ler um trecho em inglês do aplicativo, eu simplesmente não consegui enxergar direito, a imagem ficou turva, dupla não sei direito, comecei a chorar de novo e pedi para ir embora. 

Cheguei em casa e fui direto para cama, dormi umas 6 horas, acordei melhor mas ainda estou com dor, na verdade passei a tarde na cama, agora no final da noite resolvi desabafar aqui um pouco, mas ainda estou enxergando mal, por isso peço desculpas por algum erro.

Vou voltar a descansar amanhã quero ir a igreja, preciso de forças.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

07 de Abril 2013


Hoje não estou bem, estou cansada, muita dor nas juntas, é domingo vou deitar, preciso descansar.


2º dia: Dor generalizada, cansaço extremo, falta de ar, mas graças a Deus sem dificuldade para engolir (isso para mim é pior que falta de ar), mas é segunda feira e eu preciso trabalhar.

3º dia: A dor nos membros superiores esta mais forte, mal consigo andar, a bacia dói, hoje esta particularmente difícil

4º dia: Quarto dia de dor consecutiva sem trégua, dor nos membros superiores e inferiores, um pouco menos intensa, o começo do dia mais difícil. Fim de tarde mais tranquilo, a dor diminuiu o cansaço não, mas a diminuição da dor já é um bom sinal, acho que vou melhorar.