Passei mal e fui ao médico, disse a ele sou miastênica, ele respondeu: O QUE É ISSO?


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Estudo faz ligações do autismo a mães com doença autoimune.


Estudos têm demonstrado que as mulheres com uma doença autoimune também têm um risco aumentado de ter uma criança com autismo.

Cerca de um em cada dez mulheres que têm uma criança com autismo têm moléculas do sistema imunológico em sua corrente sanguínea, que reagem com as proteínas no cérebro, de acordo com um estudo publicado em 20 de agosto, em Molecular Psychiatry. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23958959

Vários grupos de pesquisa descobriram essas moléculas do sistema imunológico, chamadas anticorpos, em mães de crianças com autismo, e demonstraram que a exposição pré-natal aos anticorpos altera o comportamento social.

No novo estudo, que inclui mais de 2.700 mães de crianças com autismo, é a maior pesquisa ainda sobre a prevalência destes anticorpos.

"É um tamanho de amostra muito grande", diz a líder do estudo Betty Diamond, chefe do Centro para doenças auto-imunes e músculo-esquelético no Instituto Feinstein para Pesquisa Médica, em Long Island, Nova York. A escala dá uma impressão mais clara da prevalência destes anticorpos, diz ela.
Anticorpos ajudam o sistema imunitário do corpo a reconhecer e combater micro-organismos causadores de doenças, tais como bactérias e vírus, mas, por vezes, o corpo erradamente produz anticorpos para as suas próprias proteínas. Em algumas pessoas, o que resulta em doenças autoimunes tais como artrite reumatoide, miastenia e lúpus, em que o corpo ataca os seus próprios tecidos.
Pesquisadores dizem esses anticorpos não prejudicam o cérebro das mulheres que as produzem, mas pode afetar o feto e, talvez, provocar o autismo.

Numa série separada de experiências Diamond verificou que os anticorpos que causam a lesão renal em pacientes com lúpus também causa disfunção cognitiva em ratos expostos aos anticorpos no útero.

A equipe de Diamond descobriu que as mulheres que têm anticorpos ligados ao autismo são mais propensas a ter outros marcadores de autoimunidade em comparação com aquelas que não possuem estes anticorpos.

"Isso une o dado epidemiológico que as mulheres que têm a doença auto-imune são mais propensos a ter filhos com autismo, com a ideia de que há, na verdade anticorpos contra o cérebro do feto em seu soro", diz Paul Patterson, professor de biologia do Instituto de Califórnia tecnologia, que não estava envolvido no trabalho. 

Um relatório mostra, por exemplo, que as mulheres grávidas, cujos bebês mais tarde desenvolveram autismo tendem a levar anticorpos raros no sangue.

Não se sabe muito sobre os mecanismos biológicos que determinam quando, como ou por que as moléculas do sistema imunológico afetam o cérebro fetal.

"Obviamente, as alterações imunológicas estão lá e são proeminentes. Nós apenas temos que descobrir o que eles estão fazendo", diz Patterson.





MIASTENIA - Onde se tratar?

,

Hospital das Clínicas 


Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP - HCFMUSP é considerado Centro de Referência Nacional.
O acompanhamento de doenças neuromusculares está localizado no 6º andar do Prédio nos Ambulatórios, na Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 255 – Cerqueira César - CEP 05403-001 - São Paulo - SP, próximo à Estação Clínicas do Metrô - Linha Verde. Tel: (0xx11) 3069-6000

Hospital São Paulo


O Ambulatório Neuromuscular da Unifesp (Hospital São Paulo), é considerado Centro de Referência Nacional para investigação e acompanhamento de doenças neuromusculares.
Está localizado na Rua Estado de Israel, 899 - Vila Mariana - São Paulo - SP, telefone: (11) 5571-3324. Observe os dias de atendimento de acordo com a sua necessidade.

Marcação da primeira consulta:
Encaminhamento médico de qualquer serviço de saúde público ou privado (SUS, convênio, particular)
Cartão Nacional de Saúde (CNS) ou exame que comprove a doença
Horário de atendimento: das 9 às 15 horas, às segundas, quartas e sextas-feiras, pessoalmente ou pelo telefone: (11) 5571-3324