Passei mal e fui ao médico, disse a ele sou miastênica, ele respondeu: O QUE É ISSO?


segunda-feira, 23 de novembro de 2015

MG - Porque os Corticoides Sintéticos engordam

O corticoide é um medicamento derivado do hormônio cortisol, um tipo de hormônio produzido naturalmente pelo nosso corpo. Os medicamentos corticoides, são versões sintéticas desse hormônio, mas atuam no organismo de maneira, só que com uma potência maior.
Os  corticoides sintéticos os mais comuns são,  a cortisona, hidrocortisona, prednisona, prednisolona, betametasona, dexametasona. Com a exceção da hidrocortisona, todos os demais corticoides sintéticos são mais potentes que o cortisol natural. Alguns chegam ser até 30 vezes mais eficiente que nosso hormônio natural. 
Embora sejam muito úteis para tratamento de doenças, o uso por períodos prolongados costuma estar associado a alguns efeitos colaterais. De um modo geral, quanto maior a dose e o mais longo for o tratamento, maiores serão as alterações.

O ganho de peso é um efeito colateral comum de corticoides sintéticos, a quantidade de ganho de peso varia de indivíduo para indivíduo. Além de causar ganho de peso,  corticoide sintético, também leva a uma redistribuição de gordura corporal para lugares que são indesejáveis, particularmente a face, de trás do pescoço, e abdômen.

O cortisol também é conhecido como o “hormônio do estresse”, pois permite que o corpo fique pronto para reagir a situações estressantes. 
Em situações de estresse, nosso corpo entende que estamos passando por um período difícil, e que talvez não tenhamos novamente alimento disponível para nos fornecer energia. O cortisol liberado nessas situações é responsável então por acumular gordura, para garantir que não falte energia para nossas funções. Dessa maneira, na presença de cortisol nosso metabolismo diminui e passamos a acumular quase tudo que comemos sob a forma de gordura.
Quando passamos a fazer uso de corticoide em maiores quantidades, como é o caso na utilização de medicamentos corticoides, nosso organismo passa a reagir da mesma maneira, aumentando nosso estoque de gordura e alterando sua distribuição pelo nosso corpo.

Além de atuar na resposta ao estresse, o cortisol também é responsável por regular o metabolismo, a nossa função imune e também por reduzir inflamações.

Aumento das taxas de açúcar no sangue e maior apetite

O corticoide tem a capacidade de elevar os níveis de glicose no sangue, o que pode alterar o apetite. Quando as taxas de glicose no sangue estão altas, há uma maior liberação de insulina, que por sua vez retira rapidamente todo o excesso de açúcar em circulação. Quando há um excesso de insulina e não há mais açúcar para ser enviado para as células, o cérebro recebe uma mensagem para comer mais, para que a insulina possa trabalhar. Na prática, isso significa mais fome.

Aumentando a insulina - A insulina tirar o açúcar do sangue transforme em energia nas células. Se o excesso de energia que não for utilizado pelas células será estocado, principalmente, na forma de gordura. E quanto mais insulina houver, maior será o acúmulo de gordura.
Ou seja, o corticoide engorda também por aumentar a liberação de insulina, que por sua vez passa a estocar mais gordura. Outro efeito colateral da insulina é bloquear a sinalização da leptina, o hormônio que avisa para o cérebro que já estamos satisfeitos após uma refeição. Quando o cérebro não recebe corretamente o sinal da leptina, você demora a se sentir saciado e continua comendo.

Retenção de líquidos
O corticoide está envolvido no mecanismo de regulação de água, sódio e outros eletrólitos em nosso corpo, e por isso o uso prolongado de medicamentos à base de corticoides pode causar retenção de líquidos.

Outros efeitos colaterais do corticoide:
Aumento da pressão arterial;
Osteoporose;
Insuficiência da glândula adrenal;
Catarata;
Úlcera;
Distúrbios de humor;
Hiperglicemia;
Maior risco de infecções;
Insônia;
Acne;
Síndrome de Cushing (condição que altera a redistribuição de gordura no rosto);
Fraqueza muscular.

O corticoide pode gerar problemas com o ganho de peso e aumente de apetite, mas o paciente não deve,  simplesmente culpar o medicamento e começar a comer de tudo que vê pela frente. É preciso manter uma disciplina maior em relação a alimentação e evitar exageros.
É importante tentar se alimentar a cada três horas, para evitar comer demais nas refeições. 
Dar preferência a alimentos que mantêm a saciedade por mais tempo e que são menos calóricos (legumes, frutas, proteína magra).
Diminuir o sal e prestar atenção na quantidade de sal e sódio que vem nos alimentos (evite embutidos e enlatados, eles possuem grande quantidade de sódio), uma alimentação com pouco sódio e bastante potássio ajuda a diminuir a retenção de líquidos causada pelo uso de corticoide. Para obter mais potássio, consuma mais verduras escuras, abóbora, feijão branco, abacate e cogumelos.

Se possível, fazer atividade física, é importante se mexer, caminhadas, natação, bicicleta,  qualquer atividade, mesmo que seja leve. O médico pode ajudar, indicando atividades mais adequadas para cada paciente.



Referência: 
http://www.mundoboaforma.com.br/corticoide-engorda-efeitos-colaterais-e-dicas/
http://www.hopkinsvasculitis.org/vasculitis-treatments/prednisone/